Pesquisas e outros recursos
sobre como a liberdade religiosa
é boa para os negócios

AÇÃO DOAÇÕES

Tolerância e respeito estão na pauta da 2ª. Edição da Frente Parlamentar Mista pela Liberdade Religiosa, 18/12/15

8 Dec, 2015

Encontro que reúne líderes religiosos, autoridades governamentais, entidades e setor empresarial, vem discutir os desafios e enfatizar a manutenção da paz
Os ataques terroristas de 13 de novembro acabaram por “assustar” nações em diversas partes do mundo. Até, no Brasil, um dos países com as menores restrições governamentais e sociais no tocante à liberdade religiosa, segundo a pesquisa da Pew Research*, houve reflexos. O preconceito gerado pelo medo do desconhecido parece querer mudar esse retrato.
Recentemente a Comissão de Liberdade Religiosa, da OAB São Paulo, recebeu depoimentos de mulçumanos que foram intimidados enquanto circulavam pela cidade, sendo chamados de terroristas. Mas, esse não é um caso isolado. Preconceitos no trabalho, ou no dia a dia por conta de religião são recorrentes. A questão é saber como evitar que atos de ignorância, ou de intolerância interfiram no nosso direito à religiosidade.
Este e outros casos serão discutidos durante a 2ª. Edição da Frente Parlamentar Mista Pela Liberdade Religiosa, que acontece no dia 02 de dezembro, às 11h no Plenário Ulisses Guimarães, na Câmara dos Deputados, em Brasília, com transmissão ao vivo pela TV Câmara. A partir desse encontro serão discutidos possíveis projetos de lei que visem à inibição desses atos contrários ao direito da religiosidade. “O objetivo desta Frente Parlamentar é garantir a liberdade do exercício religioso bem como assegurar a cada cidadão o direito ao livre exercício aos cultos religiosos e a proteção aos locais sagrados e de suas liturgias e propor alternativas para resoluções de problemas relacionados à liberdade e esses entraves no exercício religioso”, afirma Moroni Torgan, presidente da Frente Parlamentar Mista de Liberdade Religiosa.
O evento, que contará com a presença de diferentes religiões, entidades religiosas e empresariais, ateus agnósticos, além do público interessado, tem a organização da Associação pela Liberdade Religiosa e Negócios (ALRN), a Associação Brasileira de Liberdade Religiosa e Cidadania (ABLIRC) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional São Paulo, e cooperação de diversas entidades religiosas e empresariais.
Sobre a Frente Parlamentar
A Frente Mista Pela Liberdade Religiosa foi criada em fevereiro deste ano pelo Deputado Federal, Moroni Torgan (DEM-CE), que hoje também está à frente da Frente Parlamentar de Segurança Pública e foi autor da proposta de instalação da CPI do Narcotráfico (1991).
Com o slogan: Não basta acreditar. Devemos respeitar! A Frente Parlamentar pela Liberdade Religiosa tem hoje a participação de 207 deputados signatários e 12 senadores.
Como consta no estatuto da Frente Parlamentar, cada religião deve ser respeitada em suas tradições e valores e esta liberdade é um patrimônio social dos brasileiros que deve ser resguardada para a construção de uma sociedade de paz e de misericórdia.
A Frente Parlamentar Mista Pela Liberdade Religiosa convida a sociedade como um todo, representada pelas diversas lideranças religiosas, civis e autoridades, para que mostrem ao mundo que a convivência e respeito são possíveis e merecem a nossa defesa.

 

FONTE: FOLHA DO SERTÃO